Falência

A vulnerabilidade de não te ter.

Ver o não poder.

Eu que me visto da sua ausência e te preciso,

num riso

quente

doce.

Desejo

Flamejo

O sangue corre quente

num suspiro 

arde

desejo. Ardente.

Que me veste,

me cospe,

mastiga,

engole.

Você que não toco.

Mas me roço.

Você que longe é essência

na minha fala cala a carência.

Mas teu corpo é refúgio

que preciso

que lateja

que me cobre.

Me descobre mulher.

Me atiça, cobiça, me toma, retoma, me suga.

Me descobre e me carrega.

Me vicia e depois some

Mas me sacia enquanto come.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s