Falência

Tinha ainda alguma coisa

errada pairando em meus

olhos.

Era um não saber lidar comigo, como se

dentro dos erros e

frustrações alheias

eu buscasse essa auto punição.

Me movia como alguém sem rumo

e, oras,

não somos todos um caos humano?

Estamos perdidos

famintos

e eu odiava essa ansiedade

de dias

e noites

e tardes consumidas.

Tardes que afogavam o céu num vermelho

vibrante demais para que suportasse olhar.

Mas você não vê

e eu não vejo

o que mora em mim tem me matado

e rasgado

e estou morto há mais tempo do que

qualquer um já supos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s