Solitude

Você está entre um email e um cliente no telefone, entre o cafezinho e um cigarro lá fora, você está sorrateiramente checando as redes sociais, então ela te atinge. Como um sopro de susto. Sem aviso prévio, sem pedir licença, e pouco importa quantas pessoas te rodeiam ou se você está, de fato, sozinho. A solidão te apunhala e não há companhia no mundo que a faça passar. Tantos corpos e rostos te cercam, familiares ou não, mas não basta, não é?

E entre aquele café e o telefone tocando, nenhum sorriso cordial fara esse súbito vazio interno passar. Mas a gente ainda distribui frases simpáticas, risos singelos, a gente divide as horas entre tantas outras solidões. 

Ah, menina. Hoje eu estava lá, entre meus afazeres e reticências, estre canetas jogadas e o cursor na tela do word que piscava sem escrever mais nada. E me deu um vazio. Um aperto no peito. Parecia que antes meus dias me eram tão doces – mas sei que a memória me ilude. Sei que sofro dessas insatisfações crônicas, e que o passado me parece tão mais gentil. Mas olha, essa tarde me pesou um pouco os ombros. Como é que você costumava dizer mesmo? Ah sim, “me deu comichões eufóricos, seguidos de saudosismo sôfrego”. Ah, essa sua mania de brincar com palavras e misturar sentimentos. Esse seu talento de tornar o trivial poético, ainda que banalizando essas dores intragáveis. 

Mas é verdade, fui juntando numa amarga lista mental meus pequenos prazeres. Vai soar piegas, eu sei. Logo eu que detesto demonstrar meus afetos, mas eram das pequenas reticências nossas que os dias soavam mais acompanhados. Ah, pequena, você me faz poesia. Rima. Você tamborila seus timbres em mim. Você me tatua a pele, a alma. 

Mas, olha só, vou me perdendo entre frases e confissões,vou me deixando escapar nas minhas falas. Quase que perco o foco. Solidão. Lembra? Era isso que eu ia lhe contando. Fui me sentindo presa nessa angústia de ver-me sozinha, ainda que rodeada por um sem fim de gente. Mas ainda falta algo. Alguém. Talvez essa solidão em meio à multidão seja a própria falta. 

Porque o telefone ainda toca, as canetas caem ao chão, na rua a música e o carro e a gente toda falando, e nenhum som será capaz de te fazer ouvir. A gente emudece tanto quando se vê solitário. Ah, pequena, se pudesse correr entre braços e dedos seus… Olha que besteira, nem deveria te dizer de tão trivial que me soa, mas me parece que você saberia escrever em linhas poéticas, escrevi seu nome em minha mão. Me deu um conforto tão grande, uma paz danada. Depois disso, depois da euforia, veio a solidão. Teu nome em minha pele, mas não havia nada entre meus dedos. Sem cabelos seus, sem sua pele rente a minha, sem você pra me dizer que, ok, todo mundo se sente solitário às vezes. Lembra-se que costumávamos compartilhar as nossas? 

Desculpa se te tomei tempo demais, é que me senti vazia de íntimo. Você costumava me tracejar com olhos doces, soslaios, num modo tênue de me fazer entender que eu não estava só. Acho que senti a ausência do seu vazio com o meu. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s