Vislumbre

Hoje o silêncio não pesou tanto assim. Não que a sua ausência tenha me doido menos agora, mas num ritmo lento e caótico eu tenho voltado a me organizar. Hoje já não chorei pela sua ida, não senti tanta vontade de bater à sua porta, de pedir pra voltar. Chorei, talvez, pelo filme que faltou, pela tarde de domingo que estávamos adiando, chorei, quem sabe, pelas músicas que não compartilhamos, pelos seus olhares de soslaio que não decorei. Quem sabe a dor comece a se fazer pelo futuro que não vivemos. Me doeu porque foi você que me deu o ritmo de danças e, sequer uma vez, te tirei pra rodopiar entorno da mesa de jantar. Acho que senti a ausência tua pelos dias que virão, pelas horas, pelos toques que não se sentirão. Mas chorei menos, com menos dor, com lágrimas menos pesadas. A ausência tua começa a se misturar com a necessidade de voltar aos meus dias comuns. A saudade morre de asfixia. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s