Espelhar

O reflexo denso dos meus olhos me assusta. O espelho intacto paracetamol se fragmentar em um sem fim de rachaduras e estilhaços quando vejo meus demônios refletidos no que deveria ser eu. Se me desmancho em tintas sem cor, sem tom, me acentuo em timbres e retoques de assombro. Meus olhos cansados não se prezam a serem oblíquos nem dissimulados. Nas melhores hipóteses são olhos fodidos e que entregam uma alma desesperada. Joguei os pontos, nenhum reflexo me devolve a paz que venho me forçado. Me escancarei esses arredores de alma e nenhuma calmaria me abraçou.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s