Atrás da porta

Pois não há força ou relampejo, não há espaço ou desejo de ser uma alma um pouco mais presente. Agora as amarras de um passado fodido me apertam os pulsos, agora a minha inexistência preenche meus poros, transita entre meus cabelos, escorre entre meus olhos. Não ser e não estar e, por deus, não querer ou não poder estar exatamente aqui é tudo que me resguarda. Vivo de inabitações. Vou me ocupando de cenas frias, louças sujas, amores rotos. Vou permeando as salas escuras, os dias secos, as toalhas manchadas de um vinho ruim. Vou cada vez mais sendo um incompleto eu, um torpe eu, um nada além do eco mudo de quem eu nunca fora.

Tenho seis angústias embrulhadas ao pé da cama. Tenho cem anos de uma morte lenta que não me deixa dormir. Tenho a vida debruçada na minha insignificante necessidade de inexistir. Agora tenho meus braços agarrados no que resta de mim enquanto a ojeriza de existir me corrói a carne da alma. E dói pra caralho.

Eu que fui silêncio pra que nada me visse, nem ninguém me percebesse, agora te peço com a frieza de um café esquecido, não volta. Você que veio entre a caótica rotina do meu não existir, se instalou entre os lençóis amassados, você que pronunciou o doce das palavras e fez romper em mim todo o medo de precisar me reinventar, me recriar, me bordar em três tecidos delicados só para te envolver. Você veio e despojou em mim a vontade de reverberar a voz que um dia, acho, foi minha. Mas emudeci em um sem fim de dores cruas.

Agora te imploro, entre a porra do meu eu fragmentado, entre o que não resta e não há de se recompor, seja silêncio. Seja a distância que me permite sorrir por ti mas não me cobra a existência intrépida. Te suplico, não me exija o toque dolorido. Deixa eu te guardar no bolso da alma sem me tirar a garantia do inexistir. Olhar pra fora dói, mas olhar pra mim me fere em tons incandescentes. Refletir meus passos tortos e medos tolos no espelho que  me você dera me machuca por te ter perto.

Sou um vaso rachado à beira de mim mesma.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s